União Desportiva Vilafranquense, Futebol SAD

Adriano Facchini é uma das últimas barreiras da UD Vilafranquense. Com 39 anos, festejados na última semana, o guardião falou um pouco sobre início da carreira entre os postes. Adriano até começou a ponta de lança, mas a baliza foi mais atrativa. A “Palavra de União” conheceu de perto o guarda-redes que chegou esta época a Vila Franca de Xira e que possui  uma Taça de Portugal no histórico de troféus.

Como é que foste parar à baliza?

Tudo começou em 1994 quando o Brasil ganhou o Campeonato do Mundo. O Cláudio Taffarel defendeu as grandes penalidades na final e tornou-se o meu ídolo. A minha região ficava próxima do local onde ele nasceu e eu acompanhava um pouco o percurso dele, apesar de ter apenas 11 anos. O sonho de ser guarda-redes começou nesse dia em que ele defendeu os penáltis. 

Tiveste logo sucesso entre os postes ou foi tudo trabalho?

Foi um longo trabalho que tive pela frente. Na altura, eu fui fazer uma captação com muitos outros rapazes da minha idade num clube da minha cidade. Nesse dia, apresentei-me como ponta de lança e mandaram-me regressar no dia seguinte. No outro dia, eu apresentei-me como guarda-redes e ninguém entendeu nada. O treinador veio-me perguntar e eu disse-lhe que gostava da posição de guarda-redes e que queria estar entre postes. Eu tive sorte porque o treinador tinha sido guarda-redes de um clube profissional e chamou-me para ver se eu tinha alguma capacidade para isso. Foi quando ele viu que eu era alto e disse que iríamos trabalhar muito e depois víamos o resultado. Diria eu que foi muito trabalho, muito sacrifício, muita entrega, dedicação e compromisso da minha parte, mas também de outras pessoas que contribuíram para que eu chegasse mais longe. Sozinhos não chegamos a nenhum lado, então reconheço que tive a ajuda de todos os treinadores que me treinaram e ajudaram e também de outras pessoas muito próximas de mim.

Como analisas esta época na União até agora?

A época na União Desportiva Vilafranquense está muito melhor do que começou. Nós melhoramos muito e crescemos. Agora conseguimos ter uma regularidade de pontos e jogos, que não tivemos no início e isso foi muito importante para o futuro. Acredito que tem sido uma época regular, onde entramos numa boa sequência de jogos e de melhores resultados. 

Chegaste à UD Vilafranquense este ano. Qual é que foi o teu melhor momento até agora?

Já passei por muitos clubes, mas a União Desportiva Vilafranquense é um clube que dá o melhor que tem. Eu consigo ver isso nas pessoas que estão aqui connosco. Elas dão o melhor que têm. Acredito que todos os dias fazem o seu melhor pelo clube.

Fizeste anos na semana passada. Como é que consegues manter-te em grande com 39 anos?

É um combinação de várias coisas, mas principalmente do trabalho forte. Eu vou para o treino e tento dar o meu melhor todos os dias e estar a 100% para ajudar o clube. A alimentação e o descanso também são aspetos fundamentais na vida de um atleta profissional. Ter uma alimentação com regras e cumprir as horas de descanso necessárias são importantes no alto rendimento. Neste momento, são fatores como esses que sentir-me bem com esta idade.

Qual foi o melhor prémio que já ganhaste? Porquê?

A conquista da Taça de Portugal foi um grande momento da minha carreira. Fiquei extremamente feliz por conseguir ser campeão da Taça. É muito bom ficar marcado na história. Conseguir esse feito é algo para recordar durante a vida toda, especialmente, o ambiente vivido na final. Vai ficar na minha memória para sempre. Outro momento importante aconteceu na Turquia quando conseguimos o acesso à 1.ª divisão. Aquela subida de divisão parou a cidade. Os turcos são muito efusivos e vivi muito o momento. Lembro-me da festa que se fez na cidade, da multidão atrás de nós. Isso foi algo que ficou marcado na minha carreira. Individualmente, em termos de prémio, quando representei o Gil Vicente FC, consegui estar no melhor 11 inicial do campeonato juntamente com todos os grandes jogadores dos restantes clubes à minha volta de nível nacional e internacional. Não foi muito fácil conquistar essa distinção, visto que havia grandes guarda-redes em Portugal nessa época. Isso para mim foi muito marcante.

Por último, peço-te que deixes uma mensagem a todos os adeptos ribatejanos

Convido todos os nossos adeptos para estarem ao lado da equipa nesta fase decisiva do campeonato, fazendo sentir o vosso apoio já no próximo domingo na partida frente ao Varzim SC. Apelo ainda ao apoio de todos nos próximos jogos que temos pela frente em busca do objetivo. Acredito que todos juntos conseguimos atingir rapidamente o nosso objetivo.

Março 17, 2022

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *