União Desportiva Vilafranquense, Futebol SAD

União até esteve a perder, mas com espírito de superação conseguiu o regresso aos pontos no último suspiro.


Na ressaca da eliminação da Taça de Portugal, a UD Vilafranquense deslocava-se à Choupana (onde perdera nas duas últimas edições da II Liga), com a intenção de voltar a pontuar na Liga Sabseg.

O Nosso Onze Inicial

De regresso à Madeira, o mister Rui Borges escalou um onze onde a grande novidade residiu na integração de Leandro Tipote no ataque. De resto, nota também para a permanência de Sílvio no onze (agora no flanco esquerdo) e para a introdução Gabriel Pereira entre as opções iniciais.

A bola começou a rolar e logo se percebeu que teríamos uma União a jogar com critério, mas também com a inigualável Raça Ribatejana. A formação que viajou do Continente tentou controlar o jogo, mas com dinâmica e objetividade na troca de bola. Foi dessa forma que foram somando situações de perigo junto da baliza de Daniel Guimarães nos instantes iniciais. A maior das quais aconteceu ao minuto 11, quando após uma recuperação de Ceitil a meio campo, Tipote não pediu licença e rematou com violência ao poste. Poucos minutos volvidos e foi a vez de Alaba tentar a sua sorte na meia distância, mas desta feita houve uma interceção no caminho das redes.

Por volta dos 20 minutos o Nacional começa a crescer com bola e perto da meia hora tem mesmo a primeira grande situação de golo, mas Anthony Correia limpou com qualidade. Contudo, o jogo estava mais dividido, e pese embora pertencessem ao Vilafranquense as melhores ocasiões do primeiro tempo, era mesmo o nulo que imperava ao intervalo.

Confiança – Foi uma primeira parte interessante da União (Foto: UD Vilafranquense, Futebol SAD)

Nos segundos 45 minutos a União até entrou melhor (dando seguimento ao que tinha acontecido no filme do primeiro tempo). Porém, ‘equilíbrio’ seria mesmo a palavra de ordem do reatamento. O Vilafranquense continuava a dispor de alguns lances de maior perigo na área adversária, mas também o Nacional começava a despertar algum apetite pela baliza defendida por Fábio Duarte. O guardião, de resto, rubricou mesmo uma exibição segura ao longo da partida. Mas nada pôde fazer aos 86 minutos, quando Luís Esteves assumiu a marcação de um livre junto à grande área e atirou a contar. Depois de um par de oportunidades, o Nacional acabava mesmo por se adiantar no marcador. Só uma equipa de Bravos Ribatejanos conseguiria dar a volta por cima, a poucos minutos do fim. E assim foi. Quando o árbitro já se preparava para soar o último apito, Úmaro Baldé desmarca Bernardo Martins pela esquerda, este cruza largo para o segundo poste, e Léo Alaba aparece para selar o resultado final de cabeça.

Estava consumado o primeiro empate da UD Vilafranquense nesta edição da Liga Portugal SABSEG.

Homem do Jogo – Léo Alaba selou o empate a fechar o encontro (Foto: UD Vilafranquense, Futebol SAD)

O próximo encontro da UD Vilafranquense será já no próximo domingo, dia 23 de outubro, frente ao Académico de Viseu, em Rio Maior.

Clica AQUI para assistires à Conferência de Imprensa do mister Rui Borges

Empate | Léo Alaba

Outubro 20, 2022
Tags: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *